segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Respire e Inspire

Estamos nos aproximando do final de mais um ano e a história se repete, pelo menos, para a maioria das pessoas: corre-corre, balanços, presentes de natal, ruas lotadas, humores alterados, cansaço devido à tanta euforia. Não deveria ser assim. Mas, muitas pessoas ainda respondem à esse padrão de comportamento. Como se tudo fosse acabar no último dia do ano.

A verdade nós sabemos em nosso interior - tudo continua dia 1 de janeiro - graças ao Deus e à Deusa. Mas, para que não percamos o contato com a centelha divina dessa passagem de um ciclo ao outro, eu pergunto:
- Você está cuidando da sua saúde?
- Sua energia está em equilíbrio e alinhada com seus propósitos mais essenciais?

Cada vez mais devemos recorrer a práticas integrativas do ser e a ferramentas de cura que nos auxiliam nos processos de descarga energética. O alto grau de estresse provocado por uma demanda de excessos que cometemos diariamente nos exige um autocuidado profundo. Não só do corpo físico, mas também a estrutura emocional e espiritual merecem essa atenção da nossa parte.

Para amenizar os efeitos negativos dos dias que virão lá vai uma dica - respire. Solte tudo pelo ar. Ao mesmo tempo inspire e mentalize prosperidade, amor, tranquilidade para você e seus queridos. E, para ficar melhor ainda, reserve um tempinho para fazer um banho bem relaxante. Certamente, os problemas diminuirão de tamanho e a confiança será restabelecida. Aproveite as coisas boas da vida!


domingo, 30 de agosto de 2015

Vamos das as mãos?

É comum quando estamos iniciando uma nova jornada contar com o auxílio e motivação daqueles que já estão por ali. Geralmente, aquele que está mais próximo estende a mão para que possamos avançar na caminhada. Nesse movimento importante para ambas as partes só existe ganhadores.

Pare um instante e lembre de alguma pessoa que você tenha ajudado, pense no tempo de sua vida que você dedicou para ela, as histórias vividas, os sentimentos envolvidos durante esse período, irá perceber que você também evoluiu. Agora, inverta o foco e passe a pensar de que forma essa experiência ajudou você a se transformar positivamente. Valorize esses pontos positivos que você conquistou incorporando-os conscientemente a partir de agora na sua vida.

Esse exercício nos faz perceber o quanto somos únicos em nossa jornada individual, mas nela não estamos sozinhos. Estar aberto e disposto a dar as mãos é ao mesmo tempo um sinal de humildade e gratidão. Pois, dessa forma nos mantemos no fluxo do amor. De alma leve, livre das ilusões e projeções do ego a caminhada se torna mais significativa e cheia de esperanças!


quarta-feira, 29 de julho de 2015

As vezes temos que arrumar o armário!


Ontem passei o dia inteirinho arrumando o armário de roupas. Já fazia algum tempo que a Deusa da Bagunça, aquela querida brincalhona que vive remexendo as pratilheiras e gavetas imperava por lá. Mas, como todo reinado tem um tempo para ceder, resolvi atender ao chamado humanitário e passar alguns artigos à diante. 

Dei-me por conta de tantas as vezes que protelei essa tarefa. A cada peça retirada daquele armário transbordante uma lembrança surgia em minha mente. Do tipo o dia em que comprei, a pessoa da qual ganhei, algum momento especial vivido, e uma a uma meus sentimentos também foram ficando revirados. Na verdade, durante essa arrumação observei que eles já estavam revirados. E por isso, naquele armário, a Deusa da Bagunça se fez Rainha para me sinalizar o que realmente acontecia nas gavetas e pratilheiras do meu coração e da minha mente.

Não sou apegada, virtude que herdei do meu pai; mas tenho aquela predileção por alguma ou outra coisa que conservo por anos, essa virtude herdei da minha mãe. Então, porque levei tanto tempo para arrumar o armário bagunçado? Ou melhor, porque fui permitindo lentamente que a desordem se instalasse ali? Essas foram as minhas primeiras reflexões num misto de raiva e desaprovação. Peça por peça, cada uma foi uma decisão tomada, ficar ou largar; continuar com ela ou passar à diante.

Passado essa etapa de julgamentos iniciei a organização novamente nos compartimentos do armário, e para minha surpresa o sentimento de leveza foi invadindo meu coração. A alegria de olhar aquelas gavetas arrumadinhas, e as blusas dobradinhas, as calças penduradas, os lenços acomodados, tudo respirava novamente, inclusive eu. Olhei para o lado e uma sacola cheia de roupas aguardava o seu destino - um novo corpo e um novo armário. Elas estavam felizes e eu também. Agradeci pelo tempo que passaram comigo todas as experiências de momentos que me enriqueceram de sabedoria de vida. E desejei uma boa sorte para elas e para quem irá se beneficiar com o uso delas.

Assim, é a vida. Sempre haverá um armário, alguns objetos, uma sacola, dúvidas, inseguranças, questionamentos. Para nos mostrar que podemos transformar, transmutar, agradecer, e libertar!


segunda-feira, 6 de julho de 2015

Amor, Ilusão, Tempo e Sabedoria





...Historia do Amor,

Era uma vez, em uma ilha, onde moravam todos os sentimento:
- Alegria
- Tristeza
- Vaidade
- Sabedoria
- Riqueza ... e todos os outro sentimentos além do AMOR.

Eram felizes, até que um dia avisaram aos moradores daquela ilha que ela iria afundar. Todos os sentimentos se apressaram a sair da ilha. Pegaram seus barcos e partiram. Mas, o Amor ficou porque queria ficar mais um pouco com a ilha antes que ela afundasse. Quando estava quase se afundando o Amor começou a pedir ajuda.


Nesse momento, passava a Riqueza num lindo barco. E o Amor disse:
- Riqueza, leve-me com você!
- Não posso, há muito ouro e prata em meu barco, não há lugar para você.

Então, ele pediu para a Vaidade que vinha passando:
- Ajude-me, Vaidade!
- Não posso, Amor, você está todo molhado e vai estragar meu barco novo.

O Amor foi pedir a Tristeza:
- Deixe-me ir com você...
- Ah, Amor, prefiro ir sozinha...

Logo, passou a Alegria, mas ela estava tão alegre que nem sequer ouviu o Amor chamá-la. Já, desesperado, o Amor começou a chorar. Foi quando ouviu uma voz chamá-lo:
- Venha, Amor, eu levo você.

Era um velhinho, e o Amor ficou tão feliz que esqueceu de perguntar o seu nome! Chegando a outra ilha ele perguntou a Sabedoria:
- Sabedoria, quem era aquele velhinho que me ajudou?
- Era o Tempo, Amor.
- O Tempo? Mas, porque só o Tempo me trouxe até aqui?
E a Sabedoria respondeu:
- Só o Tempo é capaz de entender o Amor! "Autor desconhecido"



sexta-feira, 8 de maio de 2015

O Dia das Mães!

"Mulher, ser em em mim,
Requer fé sem fim,
Lua que espelha luz de centelha,
E o desafio prima,
Mistério, enigma,
De ser tua a missão mais pura,
De trazer a Terra o Homem que por ela,
Precisa nascer, amar e crescer,
Divino exubera ao chegar à meta,
Simples andrógena,
Essência cósmica,
Riqueza interna,
Que há de vir da entrega." Chandra Lacombe

























O dia das mães se aproxima e a reflexão surge a respeito dessa figura, com a qual muitos de nós conviveu desde que nasceu. A mãe é aquela pessoa que dá a luz, alimenta, acolhe em seus braços, acompanha o desenvolvimento, zela pela proteção e educa seus filhos. A mãe, também, é aquela que não deu a luz, mas doou seu amor para alguém que foi nutrido por ela. A mãe pode ser um pai que não teve outra escolha a não ser ele mesmo ser essa figura receptiva e doadora de carinho e cuidados. A mãe pode ser a nossa casa, pois ela nos permite conviver por dentro dela e compartir os ambientes. Na casa de uma mãe sempre se arranja um cantinho, um cobertor para o frio, uma jantinha gostosa. Uma casa que nos recebe com sua acolhida e aconchego é uma casa-mãe.

"Mãe" é uma energia poderosa de criação, uma missão da polaridade feminina de alimentar tudo o que precisa crescer, para poder ser. É o nosso planeta com todos os seus recursos disponíveis e belezas incontáveis. Valorizar a mãe, seja ela quanto figura ou energia, é necessário, atualmente. Estamos perdendo contato com a essência primordial vinda dessa polaridade. Vamos aproveitar, mais uma vez, a oportunidade e lembrar que antes de uma data comemorativa e comercial, a mãe já esta e estará todos os dias em nosso íntimo!

sábado, 18 de abril de 2015

Abrir Mão é uma Dádiva

O desapego é um ato de coragem. Invariavelmente, envolve alguma dose de sofrimento até que a compreensão desse processo possa trazer novos significados. É preciso morrer para nascer, ou seja, uma vez que a identidade tenha se cristalizado ela será "tirada" no seu devido tempo para que possamos aprender com a experiência de entrega e libertação. Estamos em constante balanço entre agarrar e soltar. Certamente, o desapego é uma das maiores lições da vida encarnada.

O campo energético mais atingido no processo de abrir mão é o emocional. Pois, regido pelo coração, no campo emocional que está ancorada a vontade de agir. Se a sua necessidade de agir não está de acordo com seus sentimentos, logo se percebe a intrusão de uma energia contrária manifestada de várias formas, tais como raiva, mágoa, discórdia. E dessas também precisamos abrir mão. É no coração que atingimos a consciência. Por isso, é preciso haver coerência entre aquilo que sentimos e as nossas ações.

Entre "agarrar" e "soltar" nossos medos são libertados. Na dança por essas polaridades somos confrontados a encará-los, podendo-nos sentir sozinhos num destino incerto. Porém, é justamente o contrário. Quanto mais vivenciamos esses processos mais nos aproximamos da nossa essência verdadeira e passamos a compreender ainda mais o sentido da vida como uma evolução. Estar livre representa na vida encarnada a comunhão com a sua divindade, seu eu superior, o seu propósito interno de existir.

Aquele que abre mão de uma identidade ou algo que já não funciona mais, que já esgotou energeticamente, desfruta de uma sensação plena de aceitação e paz. O coração se tranquiliza num profundo reconhecimento de que tudo está certo como está. Essa é a graça alcançada por aqueles que se permitem dançar na vida cientes do processo de abertura, entrega, desapego, liberdade e aceitação. Abrir mão, deixar ir, transmutar é uma dádiva, tal qual enxergar a si mesmo.


quarta-feira, 8 de abril de 2015

Dia Internacional dos Ciganos

O dia 8 de abril marca a reflexão sobre a rejeição e perseguição entre povos. Infelizmente, no nosso planeta ainda existem muitas lutas entre povos querendo dominar uns aos outros. Seja de uma forma mais radical e bélica ou travestida em atitudes político-legais. A massa, ou seja, o povo, de uma maneira geral, fica à mercê dos grandes eixos de poder, sendo que as partes mais vulneráveis nessa disputa são as mulheres, as crianças e os idosos.

Os ciganos são um povo de uma cultura belíssima, a qual merece respeito. Historicamente, não são dados à guerra e têm em si uma natureza pacífica. Atualmente, as comunidades ciganas vivem de forma deplorável e à margem da sociedade. Ainda assim, têm mantido sua rica cultura que inclui valores como a vida familiar, o amor pelas crianças, a fé em Deus, o respeito pelos ciclos da natureza, o prazer da música e da dança. Creio que temos muito o que aprender com este povo.

Combater o preconceito existente é tarefa individual, que passa por uma profunda revisão de valores. Abranger o sentimento de amor por diferentes tipos de pessoas requer transmutação, também, de crenças difundidas erroneamente pelo tempo, com o único propósito de causar a divisão entre as pessoas. Respeitar o próximo é o aprendizado condicionante na vida se quisermos respeito. Vamos começar respeitando a si mesmos. Essa é uma forma de autodescoberta de valores para depois compartilha-los e unir ainda mais o planeta.

OPTCHÁ!!!


quarta-feira, 1 de abril de 2015

Sobre palavras, raízes e círculos

"Abra cada palavra.

Abra cada palavra e veja: ela é viva.
Abra cada palavra e sinta: ela possui corpo.
Abra cada palavra e ouça: ela vibra um destino.
Abra cada palavra e pronuncie: ela é um espírito em ação.
Abra cada palavra e perceba: ela carrega um intento.

Somos uma continuação de nossas raízes, somos o tronco, deixaremos frutos, que serão novas raízes e novos troncos e futuros frutos.
Assim como a Mãe Terra sustenta árvores, seres e todas as formas que vemos; o Grande Sol sustenta nosso espírito. A grande Lua sustenta nossa alma.
Os nossos pais sustentaram nossa manifestação no mundo material. Nossos corpos trazem a memória deles.
Também nossos avós e os avós de nossos avós iniciaram a nossa atual existência.
Devemos honrar este vínculo, este círculo, este sopro contínuo.
Honrar é agradecer.
Agradecer é fortalecer as raízes e libertar a essência amorosa que as iniciou, reconhecendo a fonte divina de onde tudo vem, tudo vai, em virtuoso círculo"

Kaká Werá.

domingo, 8 de março de 2015

Dia 8: desafio e comprometimento

Hoje, 8 de março, é comemorado o dia da mulher. Embora todo dia seja dia "santo", uma comoção maior atinge nosso ser, principalmente o de mulheres conectadas ao resgate do elemento feminino. O momento favorece a reflexão sobre a história do legado feminino, as transformações que a humanidade vem sofrendo com supervalorização do pólo masculino, e os desequilíbrios que se manifestam no meio ambiente a partir das nossas próprias ações.

Muitos esforços vem sendo feitos para garantir a valorização da mulher, o mais recente deles foi a criação de cotas para mulheres em conselhos administrativos aprovado pela Câmara de Deputados Alemã, em 6 de março de 2015. Não vou entrar no mérito da questão, embora essa medida irá minimizar a desigualdade de gênero no comando das companhias com mais de 2 mil funcionários. No Brasil, o aparato legal em defesa dos direitos da mulher avançou conforme demonstra a Lei nº 11.340/2006, Lei Maria da Penha, que tipifica e define a violência doméstica e familiar contra a mulher; a Lei nº 11.108/2008 do Direito ao/a acompanhante durante o trabalho de parto e pós-parto; as Leis de nº 11.106/2005 e 12.015/2009, que alteram substancialmente a tipificação dos vários crimes sexuais definidos no Código penal de 1940. Uma das mais importantes alterações diz respeito ao título “Dos crimes contra os costumes” para “Dos crimes contra a liberdade sexual”, apontando para uma adequação da lei aos novos paradigmas sobre os direitos sexuais e reprodutivos acordados nas Conferências das Nações Unidas da década de noventa.

Indo para um outro segmento, igualmente importante, verifica-se a difusão de formações de círculos para o desenvolvimento do feminino, com a responsabilidade de ativar a conexão das mulheres com o seu elemento de essência. Dessa forma, estamos vivendo um período de resgate de sabedorias ancestrais que vinculam, novamente, a humanidade no ciclo ambiental da natureza. Além disso, retoma o conceito "hipótese gaia", desenvolvida por James E. Lovelock, que descreve a Terra como um único organismo vivo, do qual nós, humanos, somos apenas uma parte dessa estrutura. Esses grupos têm a função de despertar a valorização de todos os elementos da natureza, principalmente das mulheres, pois ao longo dos últimos séculos seu papel na sociedade vem sendo subjugado, muitas vezes servindo apenas como objeto sexual.

Ainda há muito a ser feito. Pois, ainda verifica-se nas culturas atuais tratamentos desumanos contra as mulheres e suas crianças, bem como a destruição de tudo o que for referencial feminino, como por exemplo os atentados de destruição feitos pelo grupo Estado Islâmico recentemente, no Iraque, contra o Museu Nacional. Observa-se também a necessidade de um profundo resgate do elemento feminino nos homens. E esse é um processo de educação, que parte, principalmente, da conscientização das mães sobre o verdadeiro valor do elemento feminino.

Apesar, de tudo isso, e muito mais, que não foi exposto aqui, o dia 8 de março é um convite ao convívio familiar, a celebração do elemento feminino entre mulheres, homens e crianças, a vivências que envolvam a natureza, as artes em geral, a meditação e ao encontro espiritual com o Céu (Deus) e a Terra (Deusa).


quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Hipersensibilidade aos Efeitos Rítmicos Lunares


Muitas mulheres sofrem por não estar em sincronia adequada entre seu ritmo interno e as demandas externas cotidianas. A falta de conexão com o seu interior leva a diversos sintomas negativos, tanto emocionais quanto físicos. Até mesmo, quando a personalidade transparece uma extroversão exagerada e egoísta, sendo muitas vezes incapaz de ficar só e desvitaliza as pessoas a sua volta, revela, no fundo, uma carência absurda. Carência de si mesma.

A vida se esforça na tentativa de chamar atenção dessas mulheres para aquilo que o seu interior está necessitando, ou como deveria ser respeitado. Mudanças subsequentes que trazem constantes adaptações muitas vezes atraem mais pensamentos negativos e sombrios, podendo estabelecer uma situação de rigidez interna apoiada pela angústia e o medo de sofrer. Sem dúvida, quando se passa muito tempo ignorando algo, de repente, não o reconhecemos mais. No entanto, em alguns casos, é apenas por meio de feridas internas e uma coleção de traumas que se busca outras formas de viver a vida.

Para isso, será indispensável o autoconhecimento. Permitir se conhecer é antes de tudo se aceitar. Aceitar sua situação e tudo o que trouxe até aqui. Por si só, a aceitação já é um ato de amor próprio, que seguido pelo perdão, traz uma sensação gostosa de tranquilidade. E, nesse processo de autoconhecimento e aceitação, percebe-se o ritmo intrínseco a cada ciclo. Somos lunares, ou seja, somos guiadas por uma constante mutação cíclica. A vida cessa quando nada se movimenta, portanto, se não há ritmo - não há vida. Na nossa sociedade muitas mulheres perderam seu ritmo porque foram condicionadas à uma civilização que não aceita que as mulheres sejam simplesmente mulheres. O modelo de vida arquetípicamente masculino empurra para traz os clássicos anelos femininos, e vemos isso caracterizado pelo desequilíbrio ambiental que nos deparamos atualmente.

Uma pergunta: quem é a pessoa mais importante do mundo? Você. Ame-se, cuide-se, e tenha o prazer de viver que és!

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Chaves para nossas portas!

Já observou que em alguns momentos somos forçados a pensar que só existe dois caminhos? Pensamentos do tipo: ou isso ou aquilo se cristalizam de tal forma a ser impossível visualizar uma terceira opção, ou mesmo um equilíbrio entre eles. Isso pode levar a um distanciamento da essência interior e emergir sensações de descrença, impotência, tensão no plexo solar ou abafamento no peito.

Nesses momentos, é importante fortalecer a conexão da consciência a níveis mais intuitivos e elevados. Resgatar o sentimento original de pureza, espontaneidade e graça que nos liga ao cordão da vida reduz a ansiedade ocasionada pelo momento. Buscar zonas de equilíbrio interior também favorece a ordenação dos pensamentos e atitudes de acordo com a identidade da alma.

A vida nos desafia a sermos livres nas nossas escolhas atribuindo responsabilidades à elas. Coragem, ânimo e fé na jornada de cada ser irá se manifestar à medida em que ele confiar no seu propósito individual e coletivo de estar vivo. Portanto, nos casos de dúvidas sobre qual direção tomar o mais indicado é parar, olhar, sentir e ser feliz!


segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Sonhar e acordar!

Quem olha para fora, sonha;
quem olha para dentro acorda - assim disse Jung.
Buscar a verdadeira essência, dissipar as ilusões; encontrar a si mesmo e reconhecer o mundo!
Quem ainda não iniciou o caminho do autoconhecimento, que encontre um e dê o primeiro passo;
Quem já está no caminho, que mantenha a fé e a perseverança!
Feliz 2015!!!


quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Dar o Primeiro Passo!

Para iniciar uma longa caminhada basta dar o primeiro passo. Hoje, dia 1 de janeiro de 2015, inicia o primeiro passo de uma longa jornada. Será diária pois, nossos sonhos são forjados no tempo em que nos dedicamos, ao nos comprometermos com eles, a cada instante. Transpiração, angústia, prazer, preocupação, segurança. Muitas serão as sensações durante a caminhada. E todas elas irão constituir o sabor da vitória, a cor da realização, a graça de alcançar mais um objetivo.

Saber onde se quer chegar é fundamental, mas apreciar cada parte da experiência de viver a construção do seu sonho trará um significado mais profundo. E, no atual mundo de superficialidades, aquele que se arrisca mergulhar, por vezes, com profundidade nas suas experiências ganhará, sem dúvida, maior consciência de si mesmo e do propósito de vida.

Em 2015, você será, novamente, convidado a se arriscar. Correr riscos faz parte da jornada e torna a caminhada mais emocionante. É preciso se perguntar sobre o que você está disposto a passar para alcançar um sonho, já que planejar é um requisito básico. Mas, manter o coração aberto também será necessário, caso deseje aproveitar as oportunidades.

Por fim, não perca tempo e dê o primeiro passo. Lembre-se da clássica frase "quando eu mudo, o mundo muda" e encare o seu sonho de frente. Esteja atento, focado e confiante para enfrentar os desafios da sua jornada. Sem perder a graça, a leveza, o encanto. Apaixone-se e conquiste o seu caminho!