quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

As Oito Fases Lunares


O Ciclo das Oito Fases Lunares

por Sandra e David Mosley


A observação dos ciclos solares e lunares são a base da astrologia. O estudo destes ciclos e das suas fases dão um nível mais profundo de compreensão de todos os aspectos planetários. Ainda que mais frequentemente associada ao ciclo lunar, a divisão de oito fases é utilizada em muitos ensinamentos espirituais e pode ser aplicada em qualquer dos ciclos da vida.
Deve-se ter em conta que quando se trabalha com os pares planetários, o planeta mais lento descreve o tema do ciclo e o mais rápido como se realiza.
A função de cada processo cíclico é sugerida pelo simbolismo dos planetas e/ou luminares envolvidos. Por exemplo, o movimento da Terra e do seu satélite, a Lua ao redor do Sol, estabelece o ritmo e marca os passos na dança da Vida. Simbolicamente a nossa espiritualidade (Sol) manifesta-se (Terra) através da ajuda da alma (Lua). Cada ciclo solar é a expressão do nosso propósito espiritual. A Lua, no seu ciclo ao redor da Terra, reflecte a nossa experiência de vida diária. Cada ciclo lunar tem a ver com a nossa resposta às necessidades colectivas.



As Oito Fases Lunares
Simbolicamente, o número 8 significa Manifestação, Forma e Realidade Física. Ao trabalharmos com as oito fases como etapas de desenvolvimento de um ciclo, isso leva-nos a ver a vida como um processo, enfatizando a continuidade e a evolução.
Uma fase é uma etapa no processo de finalização. A função de cada etapa num ciclo é apoiar a próxima e continuamente assim até ao fim, para que o ciclo possa começar uma vez mais e continuar o seu avanço.
O tipo de energia que funciona nas fases alterna-se entre Activa e Receptiva. Como é um sistema, nenhuma das fases funciona por si só. Junto com o que vem antes e o que virá depois, cada fase tem também uma fase de ligação. Cada fase Activa liga-se com uma fase Receptiva. Existe sempre ecos e repercurssões.
As fases Activas são directas. Fazem-se escolhas e dirigem-se ao mundo exterior. São fases formativas que definem a saída do ciclo.
As fases Receptivas são complexas. Junta-se a informação quer das consequências da atividade anterior, como a antecipação da atividade futura. São fases mutáveis, onde as mudanças ocorrem internamente e planificam-se acções de ajuste.


Fase 1 - NOVA

A fase Nova é Ativa e Espontânea. É sobre a descoberta de si próprio, de começos e intenções. Esta fase envolve o corpo emocional. Paixão, desejo e excitação qualificam a saída deste ciclo. Nesta etapa existe um mínimo de consciência e de conhecimento. A inocência dá-lhe uma qualidade de pioneira.
A energia desta fase relaciona-se com a visão, interior e exterior. Como não se pode ver todo o panorama, é um momento de vulnerabilidade e dúvida. É necessária uma acção visionária. A função desta fase é dar conta da intenção, mas à frete virão as oportunidades de rever e reorientar.
Durante esta fase Nova formule a sua intenção, foque-a e actue. A pergunta é? Que desejo? È importante que estabeleça qual é a sua meta, torne-a emocionalmente satisfatória. Deve criar uma representação visual dela, a qual possa olhar durante todo o ciclo. Seja claro quanto ao que deseja, sem ter em conta se pode obtê-lo. Confie em si e no seu potencial para se manifestar, Tenha confiança na sua habilidade para aprender e adaptar-se.


Fase 2 - CRESCENTE

A fase Crescente é Receptiva e Deliberativa. Tem a ver com o desenvolver de recursos para proteger e sustentar a visão da Nova. Esta fase pertence ao corpo instintivo. Intuição, reflexão e mecanismos de sobrevivência básica preservam a ação estabelecida durante a fase Nova. Nesta etapa é tomado o compromisso de responsabilizar-se para atingir a meta desejada.
A energia desta fase é estimulada pelos sentidos do paladar, do olfacto e do tacto. Existe uma luta para reunir a informação adequada que apoie o desenvolvimento continuado do ciclo. É de importância vital compreender a motivação que está por detrás do desejo para a função de planear a sua obtenção.
Durante a fase Crescente abra-se à informação e planifique a sua acção. Pergunte-se: Que necessidade preenche os meus objectivos? E Como posso garantir que a sobrevivência da minha visão? Deixe-se guiar pelos seus instintos. Desfrute das suas comidas favoritas. Relaxe num banho de essências. Abrace-se muito. Reveja os seus recursos, encontre as qualidades daqueles o podem ajudar a ter êxito.


Fase 3 - PRIMEIRO QUARTO

O Primeiro Quarto é Ativo e Impetuoso. Tem a ver com o separar-se e procurar a individualidade. Esta fase envolve o corpo sensação-movimento. A ideia é usar o movimento do corpo para gerar energia que possa ser canalizada na sua expressão criativa. Nisso existe uma sensibilidade que pode ser expressa ao extremo de chegar a mostrar o próprio coração, sem o poder evitar.
Existe frequentemente uma sensação de não ser compreendido. É importante ir mais além da necessidade de aprovação dos outros. A atividade durante esta fase deve ser a de largar qualquer obstáculo para que a perspectiva da Nova fase tenha espaço suficiente para se desenvolver e crescer. A função desta fase é a de criar uma base segura.
Durante o Primeiro Quarto faça o que sinta ser correcto. Façam com que as suas acções expressem os seus sentimentos e a sua independência. Deixe o passado para trás. A pergunta é: Que posso fazer agora para iniciar a actualização da minha perspectiva para este ciclo? É importante pôr-se em movimento. A acção física é a chave desta energia de iniciação. Estique-se, dance ou faça algum tipo de ginástica para aliviar essa sensação de bloqueio.


Fase 4 - CORCUNDA

A fase Corcunda é de Receptividade e Discernimento. Tem a ver com o desenvolvimento de ferramentas e técnicas que sirvam a visão original. É um ponto pivô no ciclo. Está ligada diretamente com a fase Nova, e uma vez mais relaciona-se com o corpo emocional. É recebido o primeiro 'feedback' em relação à meta do ciclo em curso.
Nesta etapa analisa-se a informação a aplicar. É o momento de questionar tudo e procurar novos métodos que maximizem a eficiência.
A energia nesta fase está relacionada com a visão (perspectiva) interior e exterior. Ainda não é possível ver o quadro no seu todo. Existe uma luta entre largar o julgamento e aprender a acreditar em si próprio. A confiança da visão interior desperta o poder de criação. A função desta fase é ter confiança em si mesmo.
Durante a fase Corcunda filtre e analise toda a informação que tinha obtido em resultado das suas acções anteriores. Pergunte-se: Como posso afinar os meus objectivos? Que detalhes deixei passar? Reveja a sua perspectiva original. Focalize a imagem que criou na fase Nova. Deixe de lado as críticas, para ver com clareza, reforçando as suas intenções. Confie no processo.

Fase 5 - CHEIA
A fase Cheia é Ativa e Integradora. Tem a ver com a tomada de consciência, a cooperação e o partilhar de informação. Esta fase envolve o corpo intelectual, onde o desapego apoia a objectividade. Nesta etapa a iluminação traz luz a todos os lugares escuros, as sombras são expostas.
A energia desta fase é estimulada pelo ouvir, interior e exterior. Devem-se tomar as acções necessárias para estabelecer uma relação que possa levar a um equilíbrio. A função desta fase é a de começar o processo de reformular metas de acordo com a tomada de consciência quanto ao verdadeiro significado da visão original.
Durante a fase Cheia deve envolver os outros nas suas actividades. As relações equilibradas são a chave para a tomada de consciência. Observe que tudo isso lhe é devolvido. Pergunte-se. O que posso fazer para harmonizar a situação? Preste atenção e escute atentamente o que você e os outros dizem. Quando a confusão distorcer o pensamento, lembre-se que a música acalma a mente e a canção dá voz ao espírito.


Fase 6 - DISSEMINADORA

A fase disseminadora é Receptiva e Demonstrativa. Tem a ver com a comunicação, o partilhar de recursos e estar aberto à transformação. Relaciona-se com a fase do Primeiro Quarto e também com o corpo sensação-movimento. O poder do que se considera significativo é uma força propulsora para a sua distribuição. Nesta etapa os sentimentos necessitam de ser partilhados com os outros.
A energia desta fase pertence ao movimento. Faz-se um voto de é. Produz-se uma luta entre a visão pessoal e as necessidades do todo.
A função desta fase é a de ganhar perspectiva. Durante esta fase Disseminadora partilha-se a visão com o maior número possível de pessoas. As perguntas a fazer são: Como podem as minhas metas contribuir para o bem-estar colectivo e o meu idealismo me ter levado a pensar que sou o mais justo e bom? Reveja os sentimentos que o levaram à acção do Primeiro Quarto e permita-se a si próprio ensinar o que está a aprender. Troque e mova energia através de grupos desportivos ou de dança.


Fase 7 - ÚLTIMO QUARTO

A fase do Último Quarto é Ativa e Responsável. Relaciona-se com reorientação, transição e finalização. Está ligada à fase Crescente e também pertence ao corpo instintivo. Respostas sensoriais e diretas ao ambiente são as que dirigem a acção final necessária ao cumprimento das metas do ciclo. Nesta fase a ação pode ser tanto de correcção, como o empurrão final necessário para que tudo termine com êxito.
A energia desta fase é estimulada pelos sentidos do paladar, olfacto e tacto. A acção é essencial e evidente. As acções requerem mudança, que tanto pode ser conservadora, como inventiva e existe algum risco quando se muda a estrutura sobre o que foi construído. A função desta fase é de manifestação.
Durante esta fase Último Quarto são reconhecidos os frutos e deve aceitar-se as responsabilidades das suas ações. Faça o que tem que fazer, instintivamente sabe qual é o caminho apropriado a seguir. A pergunta é: Daqui para onde vou? Utilize o que obteve para ajudar os outros. Para libertar a energia bloqueada utilize técnicas tácteis e instintivas, que incluem com o corpo, manipulação e aromaterapia.


Fase 8 - BALSÂMICA

A fase Balsâmica é Receptiva e Libertadora. Tem a ver com o abandonar do passado e levar os sentimentos e atenção para o futuro. Está relacionada com a fase Cheia e envolve o corpo intelectual. Tal como acontece com a Cheia, há um desapego que serve para dar uma visão objectiva. Enquanto que na fase Cheia há uma tomada de consciência do que se é, na Balsâmica tem a ver com o que se foi e o que se será.
A energia desta fase é estimulada pelo ouvido, interior e exterior. As vozes interiores murmuram sugestões relacionadas com o futuro. A luta por não se dar por vencido pode produzir confusão em relação ao que ameaça terminar e levar a um próximo ciclo. Deve conseguir libertar-se do passado, para começar um novo ciclo com consciência e clareza. A função desta fase é apagar ciclos passados para preparar o novo ciclo.
Durante esta fase Balsâmica é necessário sair do mundo exterior. É tempo para sonhar e de contemplação passiva. Pergunte-se: O que é necessário para me libertar? e O Que é que escolho para levar para o próximo ciclo? Permita-se a si próprio curar-se com práticas de meditação que envolvam o som o canto, a percussão, as vozes.
Estes ciclos repetidos regularmente descrevem o processo de manifestação criativa. Cada novo ciclo oferece a oportunidade de nos conhecermos um pouco melhor, de nos familiarizarmos com os nossos padrões de resposta, de praticar a expressão do nosso propósito espiritual e viver a vida em plenitude. O equilíbrio dos nossos valores espirituais e das realidades materiais inerentes neste processo, cimenta e apoia a criatividade, trazendo-a à vida.



Bibliografia:
Myers, Robert Kent - Getting "On-Time" With Your Life. RKM, 1996
Robertson, Marc - Cosmopsychology I: The Engine of Destiny. AFA, 1976
Rudhyar, Dane - The Lunation Cycle. Shambala, 1967

Retirado do site: www.zodiacarts.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário